Generic placeholder image
Generic placeholder image
Facebook

Governo do Estado e Covemg lançam documentários sobre a resistência à ditadura em Minas Gerais

Governo do Estado e Covemg lançam documentários sobre a resistência à ditadura em Minas Gerais

Secretaria de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, que participa do projeto, vai levar o material também para apresentações no interior

Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania (Sedpac), lançou, nessa terça-feira, (5/6), no Cine Humberto Mauro (Palácio das Artes) dois documentários curtas-metragens produzidos pela Comissão da Verdade em Minas Gerais (Covemg), com coprodução da Vagalume Filmes.

Os filmes fazem parte dos produtos que a Covemg se comprometeu a entregar à sociedade, como forma de prestar contas dos trabalhos realizados, incorporando em produtos audiovisuais parte do material coletado no decorrer de suas pesquisas.

O documentário “Comissão da Verdade em Minas Gerais” (HD - 2018 - 8min10s) é um vídeo institucional, que mostra, de modo didático, o conceito da pesquisa e o significado de uma comissão da verdade, bem como narra o percurso da Comissão da Verdade em Minas Gerais, a partir de depoimentos inéditos de conselheiros e pesquisadores do colegiado.

Já o “Vozes da Resistência” (HD - 2018 - 23min52s), foi produzido a partir dos testemunhos coletados pela Covemg desde 2013, quando os trabalhos de pesquisa do órgão foram iniciados. É um filme que busca revelar alguns aspectos da ditadura em Minas Gerais, a partir de casos relatados por quem vivenciou o período.

A exibição foi seguida por análise e comentários do professor do Departamento de História da UFMG Rodrigo Patto Sá Motta e da equipe responsável pela produção do material audiovisual.

Entre as pessoas que deram depoimento à Covemg e integram os filmes estão os ex-ministros Eleonora Menicucci e Nilmário Miranda; o advogado e ex-prefeito de Juiz de Fora Tarcísio Delgado; frei Oswaldo Rezende, da Congregação dos Dominicanos; a professora universitária Delcy Gonçalves; o médico Carlos Melgaço e a psicóloga Emely Vieira Salazar, entre outros.

Os documentários são resultado de mais de quatro anos de trabalhos da Covemg e foram produzidos a partir do projeto de pesquisa Direito à Memória e à Verdade, firmado a partir de convênio entre Covemg, Fapemig, Sedpac, Sedectes e UFMG.

Apesar de a comissão ter entregado seu Relatório Final (disponível online) à sociedade civil em 13 de dezembro do ano passado, e encerrado seus trabalhos oficialmente em 8 de fevereiro deste ano, o projeto Direito à Memória e à Verdade continua funcionando junto à Sedpac.

A Covemg foi instituída pelo Governo do Estado em 2013 e teve como finalidade proporcionar novas narrativas sobre as graves violações de direitos humanos, cometidas pelo regime autoritário no âmbito do Estado de Minas Gerais.

 

Juiz de Fora nesta quinta

Além do lançamento em Belo Horizonte, a Sedpac vai proporcionar aos moradores de outras regiões do Estado a oportunidade de assistir os filmes e conhecer um pouco mais sobre a ditadura em Minas e sobre o trabalho que foi realizado pela Covemg.

Entre os objetivos da produção dos documentários está a necessidade de demonstrar os riscos que toda sociedade democrática corre ao abrir margem para práticas autoritárias.

A primeira cidade a sediar as exibições será Juiz de Fora. Na cidade, o lançamento será nesta quinta-feira (7/6), às 19h30, com o apoio da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

A exibição ocorrerá no Anfiteatro do ICH da universidade, seguida por um debate com a participação do último coordenador da Covemg, Robson Sávio, e da jornalista Fernanda Sanglard, que assina a direção dos filmes com Victor Zaiden e também foi pesquisadora da Covemg.

Na ocasião, Sávio também entregará à reitoria da universidade uma versão impressa do Relatório Final da comissão, que será destinada à Biblioteca Central da instituição.

Juiz de Fora foi escolhida como a primeira cidade a sediar o lançamento após a estreia em Belo Horizonte por sua importância histórica no processo da ditadura. Não só foi o local de onde saíram as tropas do general Olympio Mourão Filho na ocasião do golpe de 64, como também era sede da 4ª Região Militar e da Auditoria Militar (ainda localizada no município), onde correram todos os processos relativos aos presos políticos de Minas naquele período.

Além disso, Juiz de Fora também abriga a Penitenciária José Edson Cavalieri (antiga Penitenciária de Linhares), que funcionou como prisão política na ditadura e por onde passaram importantes nomes da resistência.

Esses locais também fizeram parte das locações do documentário “Vozes da Resistência”, que conta com imagens inéditas gravadas no antigo prédio do Dops em Belo Horizonte, que será transformado em um memorial.

Vários locais de repressão e resistência e personalidades que atuaram na capital mineira e em cidades como Nova Lima, Governador Valadares, Bonfinópolis e Unaí, entre outras, aparecem nas imagens do filme, que ainda faz uso de fotografias de época.

 

Assista os documentários:

 

Assista os documentários:



Comentarios