Generic placeholder image
Generic placeholder image
Facebook

Soja: Com dólar no melhor patamar do ano, Paranaguá recupera patamar dos R$ 80 por saca nesta 5ª feira

Soja: Com dólar no melhor patamar do ano, Paranaguá recupera patamar dos R$ 80 por saca nesta 5ª feira

Os preços da soja voltaram a esboçar alguma recuperação no mercado brasileiro nesta quinta-feira (22) depois que, apesar da estabilidade de Chicago, o dólar registrou uma alta de mais de 1% e fechou com sua maior cotação do ano. A divisa terminou o dia com R$ 3,3099 nesta sessão, depois de bater em R$ 3,3107 na máxima do dia. 

"O mercado está operando com cautela... com a guerra comercial, STF e menor diferencial de juros após a decisão (do BC)", explicou o operador da corretora Spinelli, José Carlos Amado à agência de notícias Reuters. 

Dessa forma, a soja com indicativo maio/18 subiu 1,65% nesta quinta-feira (22) para voltar aos R$ 80,00 por saca. A mesma referência pôde ser observada no terminal de Imbituba/SC. Em Rio Grande, por outro lado, tanto a soja disponível quanto a futura tiveram uma leve baixa de 0,64% para R$ 77,50 e R$ 78,00 por saca, respectivamente. 

No interior, os preços também subiram e chegaram a marcar altas de até 1,61%, como foi o caso de Tangará da Serra, em Mato Grosso, com a saca terminando os negócios em R$ 67,20 por saca. 

Bolsa de Chicago

No mercado internacional, o dia terminou como começou: estável. As cotações dos principais vencimentos fecharam o pregão com pequenos ganhos de 0,25 a 0,75 ponto, com o maio/18 - que é o mais negociado neste momento - sem variação e valendo US$ 10,29 por bushel. 

Segundo o consultor de mercado da Terra Agronegócios, Ênio Fernandes, até que o mercado receba dois importantes boletins que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz na próxima semana, deverá seguir atuando entre os US$ 10,20 e US$ 10,40. 

Nesse momento, a movimentação limitada das cotações, segundo analistas internacionais, se dá com algumas incertezas que ainda pesam sobre os negócios. 

"O mercado está sendo atingido por uma incerteza sobre os reais impactos das recentes chuvas que chegaram tarde às lavouras Argentinas e os novos desdobramentos da guerra comercial entre Brasil e China. Quanto tempo os chineses irão esperar para retaliar?", diz o boletim diário da consultoria internacional Allendale, Inc. 

Ademais, em uma semana, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) traz dois novos boletins que podem mexer com o andamento dos preços, principalmente o que traz as primeiras intenções de plantio da nova safra americana. Os demais dados serão referentes aos estoques trimestrais americanos. 

E o boletim semanal de vendas para exportação que seria reportado pelo USDA nesta quinta-feira foi adiado para  esta sexta-feira (23). Os números exigem atenção, uma vez que ainda mostram um ritmo mais lento da comercialização americana nesta temporada. As expectativas do mercado para as vendas da última semana variam entre 700 mil e 1,4 milhão de toneladas.  

Fonte: Notícias Agrícolas

 

Comentarios